O que são etiquetas sanitárias? Muito tem sido falado nestes últimos dias sobre este tema, que ajuda a combater o coronavirus. Entretanto, muitos problemas nos olhos também podem ser evitados, se seguidas essas boas práticas. São ações simples, pequenas mudanças em nossos hábitos cotidianos, que ajudam a preservar a nossa saúde.

Este texto foi escrito como um pequeno guia, para que você possa ajudar na prevenção do contágio por coronavirus, mas também cuidar de sua própria saúde. Lembremos: os olhos são órgãos sensíveis e importantes, então quanto mais protegê-los, menor a chance de ter algum problema.

Por que isso é tão importante?

Muitas pessoas têm se perguntado por que as etiquetas sanitárias são tão importantes. Somos um povo que tem por hábito o contato físico, o abraço, o beijo, e é uma dificuldade tremenda de um dia para o outro mudar isso completamente. Infelizmente a simpatia e o calor humano do brasileiro pode ser um pouco prejudicial para nossa saúde, se não tomarmos alguns cuidados.

Antes de mais nada, essas regras valem para toda a vida, e não somente para os tempos difíceis que estamos vivendo. Imaginamos que muitos estão meio traumatizados atualmente, mas não podemos baixar a guarda depois que essa situação passar.

As etiquetas sanitárias são fundamentais para a preservação principalmente de nossas vias aéreas superiores. O conjunto formado por olhos, boca e nariz é a porta de entrada para vírus, bactérias e toda a fauna de organismos perigosos para nós. O próprio coronavirus é na verdade um RNA, ou seja, uma macromolécula, muito menor que uma célula, e capaz de causar o estrago que está fazendo no mundo inteiro. Agora pare e pense quantos microrganismos entram em nosso corpo pelas nossas vias aéreas o dia todo?

Somado a isso, temos a pele, que é o maior órgão do corpo humano. Como ela é porosa, a pele lesada pode ser uma porta de entrada para estes elementos, e como usamos as nossas mãos para manusear produtos e objetos, estamos entrando em contato com tudo que há de mais sujo nas superfícies – e no próprio ar.

Coloque em práticas as etiquetas sanitárias

Posto isso, é muito importante tomarmos cuidado com pequenos hábitos em nosso dia-a-dia. Se não podemos evitar que o ar esteja poluído e leve doenças para o nosso corpo, por exemplo, é possível mudar alguns comportamentos que reforçam esse perigo. A lista é bem simples, e não requer nenhum esforço absurdo.

Lave as mãos sempre que possível

Sempre que tiver a oportunidade, lave as mãos. Não pense se é necessário ou não, acredite: nossas mãos sempre estão sujas. Isso acontece porque encostamos em pessoas, objetos, no apoio do metrô, volante do carro, computador, celular… encostamos em tudo!

Nossas mãos são as principais ferramentas de trabalho para praticamente toda a população, e dependemos dela para todas as atividades, da alimentação à higiene pessoal. Sendo assim, o tempo todo estamos com algum tipo de sujeira nas mãos – mesmo que invisível aos olhos.

Para lavar corretamente, lembre-se de ensaboar a palma, as costas, dedos, espaço entre os dedos. Se o local e sua vestimenta permitirem, estenda a limpeza até o antebraço. Não é necessário esfregar com força, apenas o suficiente para limpar a superfície.

Algo muito importante na prática de etiquetas sanitárias é que nunca iremos zerar a quantidade de vírus e bactérias em nosso corpo. Aliás, alguns desses microrganismos são até importantes para a nossa saúde. O que fazemos quando colocamos em prática esses hábitos é tirar o excesso de sujeira e evitar que as vias aéreas sejam muito contaminadas.

Não coçar os olhos é uma das principais etiquetas sanitárias

Para manter a saúde dos olhos, é muito importante que você os mantenha limpos o tempo todo. Já falamos aqui sobre olhos secos e a respeito daquela coceirinha gostosa, mas extremamente prejudicial ao corpo. Toda vez que levamos as mãos aos olhos, estamos levando junto toda a sujeira que está em nossas mãos.

Além disso, sempre que coçamos os olhos, estamos forçando a estrutura ocular, que é muito sensível. Uma pressão um pouco maior, um pedaço de unha ou até mesmo alguma sujeira podem causar uma lesão séria nos olhos.

Então se estiver sentindo alguma coceira ou incômodo nos olhos, o ideal é que lave com bastante água corrente até a sensação passar. Se for algo permanente, procure um oftalmologista, pois pode ser a síndrome do olho seco ou algum outro problema mais grave.

Evite colocar as mãos na boca e coçar o nariz

Outra das etiquetas sanitárias básicas é não colocar as mãos nos outros órgãos do sistema respiratório: boca e nariz. O argumento é o mesmo dos olhos – você está levando sujeira para o seu próprio corpo. Neste caso, talvez seja um pouco mais complicado, porque muitas pessoas têm o hábito de ficar com o dedo – ou uma caneta – na boca para aliviar o estresse, por exemplo. Este vício, apesar de parecer inofensivo, pode ser um grande vilão de sua saúde.

Ainda sobre isso, sempre que for coçar o nariz – afinal, às vezes é inevitável – tente usar as costas das mãos ou o antebraço. Quanto menos você colocar a ponta dos dedos em boca e nariz, maior a chance de você estar protegendo seu corpo.

Abrace e beije com moderação

Talvez essa seja a parte mais difícil de cumprir das etiquetas sanitárias. A cultura brasileira é baseada em afeto físico, e não é comum cumprimentarmos as pessoas sem contato ou à distância. Porém, acreditem, isso é saudável. Claro que não vamos deixar de dar carinho às pessoas amadas. Permita-se abraçar, beijar e dar as mãos a quem quiser (não agora, mas quando a pandemia passar). Entretanto, sempre que fizer isso, procure lavar as mãos e o rosto assim que possível. Por mais que isso pareça deselegante ou mal educado, é uma questão de cuidado com a sua saúde. Além do mais, se você tiver seguido a regra de lavar sempre as mãos, evita que a outra pessoa seja contaminada por algo que esteja em seu corpo.

Japoneses têm boas etiquetas sanitárias

Em meio à toda crise gerada pelo coronavirus, muitos especialistas têm se perguntado o porquê da doença não ter se desenvolvido tão agressivamente no Japão. Isso acontece basicamente pelas práticas de etiquetas sanitárias da cultura japonesa.

Via de regra, os japoneses se cumprimentam apenas com uma reverência, sem contato físico. Também não têm por hábito levar mãos ao nariz, boca e olhos, e muitos usam máscaras costumeiramente. Outro hábito muito cultivado por eles é proteger a tosse e o espirro com o antebraço, não deixando as gotículas se espalharem pelo ar.

Uma prática japonesa simples de se fazer é não usar calçados dentro de casa. Em todas as casas do país oriental você entra e tira seus tênis ou sapatos, e calça um chinelo ou pantufa – ou até mesmo fica descalço. Se você criar o hábito de tirar os calçados na entrada de sua casa, evitará espalhar por todo o ambiente a sujeira que traz da rua.

Para quem quer ser um pouco mais rigoroso, tirar as roupas que estava usando na rua e tomar um banho também ajuda. Claro que não dá para ir para o chuveiro todas as vezes que sai de casa, fica um modo de vida inviável. Mas sempre que passar o dia todo na rua, pelo menos, tire as roupas e tome uma ducha. Isso vai ajudar a tirar toda a sujeira que está no seu corpo, mesmo que invisível. Pense que você tem contato com milhares de pessoas no transporte para o trabalho, na faculdade, escola e onde mais estiver. Sem contar o ar, naturalmente poluído por carros, ônibus e motos.

Jamais vá para a cama sem tomar um banho, mesmo que você o tenha feito antes de sair de casa.

Coloque essas ideias em prática!

Agora que você aprendeu um pouco sobre etiquetas sanitárias, pode não somente colocar em prática, mas também ajudar os seus amigos e familiares compartilhando esta ideia. Juntos, conseguiremos combater o coronavirus e muitas outras doenças infecciosas, transmitidas pelas vias aéreas superiores. E não se esqueça: em caso de coceira, ardência, ou qualquer outro sintoma nos olhos, procure imediatamente um oftalmologista. Muitas doenças respiratórias se manifestam por meio de uma conjuntivite, por exemplo, e este médico pode te auxiliar a encontrar o tratamento adequado, no tempo certo.


Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (1) in /home/oftalmologiarang/public_html/wp-includes/functions.php on line 4755

Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (1) in /home/oftalmologiarang/public_html/wp-includes/functions.php on line 4755

Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (1) in /home/oftalmologiarang/public_html/wp-content/plugins/really-simple-ssl/class-mixed-content-fixer.php on line 110